quinta-feira, 2 de junho de 2011

Academia Brasileira de Letras: a imprestável casa dos vivos mortos


Salão nobre da ABL

       Mais cedo escrevi sobre minhas desconfianças quanto à inteligência dos membros da ABL, era uma mera suspeita, um sentimento oriúndo das poucas e vagas notícias que se tem dos bastidores da Academia, uma coisinha aqui outra ali, que dava conta do que é mais importante por lá: o dinheiro, o prestígio e a mediocridade. Agora volto, decepcionado, para dizer que minhas suspeitas se confirmaram.
       Antônio Torres não foi eleito. Lamentável. É a prova de que a ABL já não é mais a mesma. Esta, como eu suspeitava, se transformando numa instituição falida de sentido e parece agora, que ela não suporta ficar longe da mídia, pois não perdeu tempo para colocar em sua poltrona, um dos queridinhos da Globo, pois lhe falta hoje o Roberto Marinho.
       Tem que mudar o nome, tem que ser: "Academia Brasileira dos Bajuladores da Mídia" ou "Academia Brasileira dos Poxadores de Saco dos Poderosos". Esta senhora decrépta, como diria o jornalista e escritor fluminense Fernando Jorge, é de fato vítima de sua própria nulidade.
       Quem é o eleito? É colunista do jornal "O Globo", comentarista da TV Globo News e da rádio CBN. Foi diretor de jornalismo de mídia impressa e rádio das Organizações Globo. Trabalhou na revista “Veja”, como chefe das sucursais de Brasília e Rio de Janeiro, como editor nacional em São Paulo e foi editor-executivo do “Jornal do Brasil”. É membro do conselho editorial das Organizações Globo e fez parte do primeiro conselho editorial do jornal “Valor Econômico”. Em 2009 ganhou o prêmio Maria Moors Cabot pela Columbia University, EUA. É autor do livro “Lulismo no poder” (Record). Uma literatura pobre, politiqueira, A biografia literária desse camarada não ousa se arrastar aos pés do seu concorrente nessa eleição.
        Por essas e outras razões que a ABL não tem mérito para representar nem o povo e nem a cultura do povo brasileiro, tampouco é dígna do respeito do zé-ninguém que aqui escreve. Trata-se de uma casa de conchavos e apadrinhamentos, uma elitizinha que luta para se manter na pose de uma fotografia antiga e decadente.

2 comentários:

  1. Também concordo. E pensar que essa casa comporta uma figura do tipo José Sarney.... dá licença meu.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar este tópico.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Faça aqui tua pesquisa!