quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Um dízimo para o diabo

Eram dez e quarenta da noite quando saímos de Alagoinhas, naquela segunda-feira preguiçosa de 26 de setembro de 2011.
Estava feliz, tinha recebido as notas das provas nas quias fui muito bem. Coloquei os fones no ouvido e comecei a curtir Lost, de Bruno Mars. Constatava que a noite estava fria e que o motorista corria um pouco conduzindo o ônibus. Meus colegas se acomodavam para cochilar, afinal enfrentaríamos mais uma viagem de 110 km até a cidade de Sátiro Dias.
Algumas lembranças vagas povoavam minha mente enquanto eu olhava a estrada escura la fora. Fiquem pensando na função dos soldados do exército que encontramos no posto da Polícia Federal: estariam assumindo o papel da PF? Estariam dentro da competência que o Estado Brasileiro atribui? Estariam fiscalizando as estradas? Faziam pesquisas ou outros tipos de serviços, mas qual a finalidade? Estariam ali em uma missão especial ou por pura falta do que fazer?
Especialmente esta noite parecíamos sozinhos na estrada. A noite estava mais escura que de costume, não havia lua, atravessávamos quilômetros sem vê uma viva alma guiando qualquer carro que fosse. Avistei de longe uma luz de farol que entrava em uma plantação de eucaliptos. Quando passei pelo lugar, tentei ver no meio da escuridão um sinal de alguém, algum carro ou moto dentro do mato. O ônibus seguia e eu voltei a lembrar de outras coisas como da vez em que vimos um carro acidentado dentro do mato à beira da estrada. Pensei que ali poderia estar se repetindo a mesma coisa, mas nada que fosse possível ver.
Voltei a ouvir o Bruno, agora tocava Talking to the moon. A música me ajuda a relaxar. Fechei os olhos e procurei aquietar meus pensamentos para poder dormir. Adormecia quando ouvi um estampido, o estalo era conhecido, estrondo seco, ouvi alguém dizer: o pneu estourou. Pensei comigo: não foi o pneu, pois o carro teria perdido parte do controle. Um farol se aproximava rápido do meu lado esquerdo e eu pude ver uma mão armada para fora de um uno preto. Era um assalto? Rapidamente o uno tomou nossa frente e mais outras armas surgiram apontadas para nós. Dois colegas precipitaram para o fundo do carro. Fiquei alim mesmo, como se estivesse vendo um filme de ação, a primeira imagem do carro preto com placa encoberta e com homens descendo e apontando as armas para a frente do ônibus, ainda está gravada em minha mente como se fosse agora. Ouvi vozes dos colegas rezando e outros confirmando: é assalto. Tentei orar o Pai Nosso, mas não me lembrei dos dizeres, no pensamento pedi a Deus que cuidasse de nossas vidas. 
O motorista não teve tempo de colocar o ônibus no acostamento. Três bandidos saltaram do uno apontando armas para o carro e dando ordens para que abrisse a porta. Ouvi um deles perguntar se havia policial a bordo. Não havia. Quando a porta foi aberta entraram anunciando assalto, dando ordens para entregar os pertences, reclamando da demora do motorista em abrir a porta, soltando palavrões. Dois deles adentraram e um ficou na porta com o motorista apontando a arma pra ele e dizendo pra ele não dar sinal, para andar a 60 km, pra não fazer besteira por que só estavam fazendo o "trabalho" deles.
Um deles me abordou exigindo a entrega de celular, dinheiro e o que tivesse de valor. Entreguei o que tinha. Lembrei de pedi que deixassem o chip, informei que não tinha dinheiro, só cartão de crédito, tomaram. Mandaram que eu ficasse com as mãos na cabeça e foram ao fundo do carro onde meus colegas estavam. Desceram gritando que aquilo não era filme, que era vida real. As meninas começaram a chorar e os meliantes diziam que não precisava chorar, era só entregar o que tinha que ninguém sairia machucado (como se isso servisse de consolo).
Um dos colegas havia se livrado do celular e de tudo que tinha de valor. Os criminosos não aceitaram: se todos tinham alguma coisa pra dar, por que somente ele não tinha? O colega tentava se explicar e não era atendido. Foi humilhado e ameaçado. Saíram de lá mandando que o motorista parasse devagar e que não fizesse besteira outra vez na hora de abrir a porta. O pesadelo estava terminando.
Fui vê se estava todo mundo bem apesar do susto. Ficamos ali consolando uns aos outros. Cada um dando sua versão dos fatos, daquilo que perceberam. Entre tudo isso surge uma constatação curiosa: por pouco não mataram o colega que se livrou dos pertences. Todos nos voltamos para ele dizendo que não poderia ter feito aqui, que o risco foi muito grande, que não vale a pena defender objetos de valor em detrimento da vida. Pareceu enfim que é pecado mortal não ter uma contribuição para os meliantes, um dízimo para o diabo.

Bruno Mars - It Will Rain - NOVA MÚSICA

Para quem ainda não cansou de ouvir o sucesso Talking to the moon, tem novidade na área: a nova canção de Bruno Mars promete. It Will Rain (Vai chover) tem o bom gosto de sempre. A musica participa da trilha sonora da saga Crepúsculo, fala de um cara que, apesar de ter seus conflitos pessoais, promete mudar para agradar a amada, pois se ela sair de sua vida tudo vai ficar nublado e Vai chover. Bruno tenta mostrar o lado sombrio do amor. O amor incondicional que é capaz de vencer as diferenças para sobreviver. Típico dos conflitos vividos pelas personagens da trilogia vampiresca de Crepúsculo. A música ficou show e mais uma vez convidamos você para se deleitar com esse garoto talentoso que é o Bruno Mars. Confiram.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

I Conferência da Juventude Satirodiense


A I Conferência da Juventude Satirodiense foi convocada pela sociedade civil e coordenada por Abimael Borges com apoio de Cristiana Alves, José Roberto, Luis Claudio e Washington Flávio que formaram a COMISSÃO ORGANIZADORA MUNICIPAL. A I Conferência da Juventude Satirodiense - aconteceu no dia 12 de setembro de 2011, na sede do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sátiro Dias.
Lá estiveram presentes jovens representantes de entidades evangélica, católica e civil, que apontaram os principais problemas da juventude satirodiense dentro dos Eixos Temáticos, suas lutas e conquistas e suas perspectivas para o futuro.
A abertura da I CONJUS se deu com a leitura e aprovação, sem emendas, do Regimento Interno. Na sequencia, fez uso da palavra o senhor prefeito de Satíro Dias, Joaquim Neto. Logo após, foi explicado a dinâmica de discussão dos Eixos e as proposições. A plenária foi dividida em cinco grupos, nos quais houve o debate dos Eixos Temáticos. As proposições foram apresentadas para todos, pelos representantes dos grupos,  e em seguida foram feitas novas considerações sobre as proposições, acrescentando às que já tinham sido colocadas. Seguimos para o processo eletivo dos jovens que representarão o município de Sátiro Dias na Conferência Territorial da Juventude, na II Conferência Estadual da Juventude e na II Conferência Nacional da Juventude.
O Poder Público foi representado com as presenças da autoridade executiva do município, prefeito Joaquim Neto, acompanhado pelo seu secretário de finanças, senhor Luis Eudes. No uso da palavra, o prefeito Joaquim Neto falou dos avanços do município na implementação de políticas públicas para os jovens. Houve um momento aberto à participação dos jovens com perguntas ao Poder Executivo, em que o mesmo respondeu questões ligadas aos jovens dos diferentes segmentos presentes.
Todo o evento foi acompanhado pela representante da COE - Comissão Organizadora Estadual da II Conferência Estadual da Juventude, senhora Patrícia Liger.


Ainda Bem - a nova canção de Marisa Monte

Os fãs de Marisa Monte acabam de ganhar um lindo presente: sua nova música já está disponível em seu site e ficou muito linda. A composição de Marisa e Arnaldo Antunes trás o mesmo profissionalismo que a artista está acostumada a mostrar em seus trabalhos. Uma letra romântica e leve com o bom gosto capaz de agradar a todos. Confiram.

Disponível no site da cantora: www.marisamonte.com.br

sábado, 3 de setembro de 2011

Intolerância Religiosa: coisa de ignorantes!


Tive o enorme prazer de conhecer uma das pessoas mais brilhantes desse grande Estado da Bahia, o professor, tributarista, Vice-Prefeito de Salvador, Edvaldo Brito, para quem também dei meu voto para Senador da República no pleito passado. A primeira vez que ouvi a fala do Baba Egbé dollê Iyá Omin Axé Iyamasê, do Terreiro do Gantois, foi em menos de trinta segundos na propaganda obrigatória eleitoral. Foram segundos preciosos que direcionaram meu voto e minha admiração por este homem humilde e de uma densidade ideológica profunda. Pude assim, confirmar a força que tem esse homem. Dono de uma oratória ímpar, dotada de intelectualidade e coerência, mas acima de tudo, com uma espiritualidade apurada, graciosa e cativante.
O encontro foi no Seminário sobre Intolerância Religiosa – O Direito como Caminho para o Respeito às Religiões de Matrizes Africanas, que aconteceu no prédio da Câmara Municipal dos Vereadores na cidade de Camaçari – BA, onde também estiveram presentes outras autoridades religiosas tanto das religiões Africanas quanto do Cristianismo, entre eles quero destacar o Ogã do Templo Afro Religioso Ilê Axé Oxumarê, Leonel Monteiro, também presidentes da Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro Amerindia – AFA, homem que tem dedicado a sua vida a proteger a nossa cultura e descendência Africana. O evento foi uma realização da UNEB, especificamente dos estudantes de direito da UNEB de Camaçari em conjunto com a AFA.
O Seminário trouxe reflexões sobre o processo de intolerância religiosa sofrida principalmente pelas religiões de matriz Africanas nos tempos modernos. Muito me impressionou a constatação clara e óbvia de como esse processo de intolerância vem passando de grupos religiosos para outros grupos também religiosos ao longo da história humana. Acontecia muito na antiguidade de a Igreja Católica Apostólica Romana perseguir e eliminar “bruxas”, Cristãos Protestantes entre outros seguimentos; os fundamentalistas Islãmicos terem como “infiéis” e dignos de pena capital os seguidores de outras religiões; guerras “santas”, lutas sangrentas em nome de Deus e hoje, em pleno século XXI, em plena sociedade do conhecimento, ainda existir a nefasta intolerância, verdadeiras manifestações de desrespeito à religiosidade alheia. Hoje os neopentecostais, “cristãos” e “evangélicos” agem da mesma forma com as religiões de matriz afrodescendentes, ignorando os direitos invioláveis que os homens tem de professar sua fé da maneira que lhe é conveniente e, pior ainda, ignorando os próprios ensinamentos de Cristo quando mandou “amar ao próximo como a si mesmo”. Eu amo o Cristianismo, mas odeio o que os “cristãos” estão fazendo dele.
Não há, portanto, coisa pior no mundo que a afronta ao sentimento religioso de uma pessoa. Para mim está mais que claro que a única coisa em comum, entre todas as crenças religiosas do planeta é a fé, manifesta das mais variadas formas e todas elas com uma capacidade indestrutível de fazer do homem uma criatura melhor. Infelizmente o que constatamos é que os homens usam a fé de maneira deturpada e egoísta; usam-na como pretexto para exteriorizar preconceitos, frutos da ignorância consolidada na cultura dos povos. Mas a legítima fé jamais poderá ser usada para justificar o absurdo da intolerância e do desrespeito às diferentes crenças. A fé legítima e útil para humanidade é aquela que eleva os espíritos humanos para a excelência de vida, de harmonia, compaixão e humildade. É a fé que Cristo, Buda, Maomé, Alá, Oxum, e todos os outros nomes pelo qual a Suprema Divindade é conhecida e cultuada, que pode resgatar o homem das trevas da ignorância.
Meus agradecimentos aos realizadores desse brilhante evento. Meus votos de sucesso para os próximos eventos dessa natureza que possam vir a acontecer. Meus parabéns aos palestrantes pela propriedade e relevância com que expuseram os temas. Minha admiração sincera ao professor Edvaldo Brito e demais a quem peço a benção e desejo Axé. E à minha professora Micheline Musser, por nos incentivar a participar de eventos fundamentais para a nossa formação acadêmica e para a vida. E a paz de Deus, que excede a todo entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Faça aqui tua pesquisa!