terça-feira, 26 de maio de 2009

Revelando os brasis em Sátiro Dias

Dia 21/05, foi a vez de Sátiro Dias receber a caravana do

Revelando os Brasis. E para variar, choveu muito. Mas não teve
problema, o plano B existe pra isso mesmo. O local
utilizado para exibição foi um clube Oca Toca, que acomodou as
autoridades presentes (como o prefeito e alguns vereadores) e as 500
pessoas que compareceram para prestigiar o vídeo da cidade:
Caminho de Feira, de Abimael Borges.

A platéia animada paticipou o tempo todo do evento, desde a
abertura e as apresentações, quando Abimael homenageou os seus
atores com diplomas, até a exibição em si. Como das outras vezes,
a identificação do público com os vídeos foi geral. Amigos
encontrando amigos e parentes encontrando parentes na telona. Sem
falar na realidade comum daquela região.

Esta sessão foi a despedida do Circuito nas cidades baianas.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Revelando os Brasis em Sátiro Dias

segunda-feira, 4 de maio de 2009

NOTÍCIA

Revelando os Brasis ganha a estrada levando sessões gratuitas de cinema para pequenos municípios em todo o país


Três caminhões percorrem simultaneamente quase 30 mil quilômetros, passando por 40 municípios e 18 capitais em todas as regiões do Brasil.
A mostra apresenta os vídeos realizados na terceira edição do projeto.

O Circuito de Exibição Revelando os Brasis tem início no dia 14 de Maio. Três caminhões percorrerão quase 30 mil quilômetros levando projetores e telas de cinema para exibições em ruas e praças. Os 40 municípios selecionados nesta terceira edição e as 18 capitais dos respectivos estados receberão a mostra, que apresentará os vídeos feitos pelos moradores dessas cidades. O projeto existe desde 2004 e viabiliza a produção de filmes em cidades com até 20 mil habitantes.

O Revelando os Brasis é um projeto da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura, realizado pelo Instituto Marlin Azul, com patrocínio da Petrobrás e parceria do Canal Futura.

O lançamento do Circuito acontece no dia 14 de Maio, no município de Sapeaçu, na Bahia. O evento contará com a presença do Ministro da Cultura, Juca Ferreira. Em cada exibição do Circuito, será apresentado o vídeo produzido na cidade, além de mais três produções do projeto. Cada vídeo tem duração aproximada de 15 minutos e os caminhões que transportam os equipamentos funcionarão como cabines de projeção.

O Circuito em números
40 municípios com até 20 mil habitantes cada
18 capitais
40 vídeos digitais na programação
Quase 30 mil quilômetros a serem percorridos
3 caminhões seguindo rotas diferentes e promovendo exibições simultâneas

As rotas - De Sapeaçu, um dos caminhões segue para a exibição no Pelourinho, dando continuidade à Bahia, percorrerá também os estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. As exibições devem durar até meados de Junho, quando o segundo caminhão terá cumprido a rota do Espírito Santo ao Acre, promovendo exibições também em Minas Gerais, Goiás, Tocantins e Rondônia e o terceiro roteiro terá passado por Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Ações de difusão - O Circuito de Exibição faz parte das ações de difusão do Revelando os Brasis. Os vídeos do projeto também são exibidos no programa de TV que vai ao ar pelo Canal Futura. As produções são lançadas ainda em DVD, com distribuição gratuita entre os realizadores, organizações sociais e culturais, bibliotecas, universidades e cineclubes de todo o País.

Mais Informações:
Marialina Antolini
Assessoria de Comunicação
Instituto Marlin Azul
(27) 3327-2751 / (27) 8123-8545

domingo, 3 de maio de 2009

Augusto Boal e o Teatro do Oprimido


"O Teatro do Oprimido é o teatro no sentido mais arcaico do termo. Todos os seres humanos são atores - porque atuam - e espectadores - porque observam. Somos todos 'espect-atores'" (Augusto Boal)


No último sábado faleceu o grande criador do Teatro do Oprimido. Ouso dizer que é o fim de uma hera para o teatro brasileiro. Augusto foi a maior damaturgo da atualidade. O carioca Augusto Pinto Boal nasceu em 1931, estudou na School of Dramatic Arts da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. Além de diretor e teórico de teatro, escreveu vários livros e revolucionou o teatro com a criação do método conhecido como Teatro do Oprimido.


"Teatro do Oprimido (TO) é um método teatral que reúne Exercícios, Jogos e Técnicas Teatrais elaboradas pelo teatrólogo brasileiro Augusto Boal. Os seus principais objetivos são a democratização dos meios de produção teatrais, o acesso das camadas sociais menos favorecidas e a transformação da realidade através do diálogo (tal como Paulo Freire pensou a educação) e do teatro. Ao mesmo tempo, traz toda uma nova técnica para a preparação do ator que tem grande repercussão mundial." (Wikipedia)


Até então, conhecíamos o método tradicional Stanislavskiano. Augusto, é o responsável pelo surgimento de um método completamente nacional, baseado no fato de que nós, os brasileiros, fomos sempre oprimidos e impedidos do acesso às artes, ao livre pensamento (lembrar que Augusto foi exilado durante a ditadura militar). Para Boal, o acesso às artes deveria ser livre pois todos os homens são atores e espectadores na vida. A arte é inerente ao ser humano e a liberdade de praticá-la e vivenciá-la como um todo não pode ser negada por hipótese alguma.


Em seu Teatro do Oprimido, Boal nos ensina que para sermos um artista completo precisamos:

1. Sentir tudo que se toca;

2. Escutar tudo que se ouve;

3. Ativar os vários sentidos;

4. Ver tudo que se olha;

5. Ter a memória dos sentidos.

O legado de sua criação deve ser bem aproveitado pelas nações futuras.

O Junco na TV


A exibição no Canal Futura mobiliza a cidade inteira. Geralmente quando falamos que o vídeo será exibido em rede nacional (e internacional), as pessoas não dão muito crédito. Não seria pra menos, em cidade pequenas como essas, ninguém está acostumado com esse tipo de promoção cultural, a novidade é tão grande que assusta. No entanto, quando chega o dia, alguns timidamente ligam seus televisores. Na verdade pensam consigo: “quero só vê se vai passar mesmo”. Então a mágica começa e quando aquele rosto conhecido de todos na cidade se descortina na telinha, ai começa um verdadeiro frenesi no povoado. Só se vê gente saindo na porta e gritando: “corre fulano, liga a televisão ai no Futura!”; “chega gente, vem ver, aquele menino daqui ta na televisão!”, outros mais sofisticados pegam o telefone e a lista telefônica e começa a ligar para todos os amigos: “Alô, é Bentinho? Oh rapaz, liga tua televisão ai no Futura.” E o interlocutor “espera ai que to sintonizando, Antonio” (...) “Oia gente, e não é aquele rapaz daqui?” e assim vai. Em menos de cinco minutos saí de casa e ouvi apenas um som: a minha voz e a do Ernesto ecoava pela cidade nos quatro cantos. Após o programa peguei a moto e fui a
um povoado, ao reduzir em um quebra-molas uma senhora olhou para mim e disse pra suas colegas: “Oh mulher, esse menino ai não é aquele que estava na televisão nestante?” e as outras “e pois não é mesmo?” e ela “e foi no Rio e voltou agorinha?” eu ri e segui minha viagem.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Faça aqui tua pesquisa!